Pague em até 3 vezes sem juros

Bauhaus 100 anos

Sede da escola Bauhaus em Weimar. Pôster para exposição de 1923. Máscara do artista Oskar Schlemmer e cadeira Wassily.


O que foi a Bauhaus e por que ela ainda é importante?

Bauhaus é uma daquelas palavras que arquitetos, designers e decoradores usam de forma familiar e corriqueira, mas uma pessoa leiga muitas vezes não entende seu significado ou importância. Neste texto, vou dar uma visão geral do que foi o Movimento Bauhaus e porque ele ainda hoje se mostra relevante quando discutimos design em geral.

Como o movimento completa 100 anos em 2019, não deixamos a data passar em branco e desenvolvemos uma coleção inspirada na famosa escola, o que você pode conferir em nosso site.

 

Arte e tecnologia
Uma nova maneira de pensar

Faz 100 anos que o arquiteto Walter Gropius transformou uma escola de arte na Alemanha na mais influente academia de design moderno da história. Inaugurada seis meses após o fim da Primeira Guerra Mundial, a escola encorajava artistas e designers a usar seus talentos para ajudar a reconstruir uma sociedade destruída.

 

Alunos tendo os trabalhos criticados. Figurinos para balé por Oskar Schlemmer.

 

Fundada por Walter Gropius em 1919, a escola Bauhaus foi concebida como uma combinação de ofícios, tecnologias e artes – arquitetura, pintura, design gráfico, design industrial, decoração, dança, teatro, fotografia, dentre outras.

Bauhaus é reconhecida como o mais importante movimento de vanguarda do estilo moderno e tem uma influência indiscutível no design contemporâneo. Limpa e elegante, a estética desenvolvida na Bauhaus ainda hoje é considerada "cool" e sofisticada. Arquitetos e designers em todo o mundo ainda hoje repetem o mantra:

 

 "menos é mais" 



Luminária de mesa por Wilhelm Wagenfeld - 1920, cadeira Barcelona por Ludwig Luminária de mesa por Wilhelm Wagenfeld - 1920. Cadeira Barcelona por Ludwig Mies van der Rohe - 1929. Cadeira Cesca por Marcel Breuer - 1928. Jogo de café por Marianne Brandt – 1924.


Design para o futuro 

O conceito mais revolucionário proposto pela escola foi com relação à proposta para a democratização do design. Na Bauhaus, os produtos desenvolvidos deveriam ser adequados para entrar em produção industrial em massa.



“da necessidade do povo em vez da necessidade de luxo"


As ideias despojadas e simples da Bauhaus causaram uma revolução no design. A funcionalidade da peça vinha em primeiro lugar ou, em outras palavras, a forma segue a função. O objetivo era remover tudo que não fosse necessário, mas ainda mantendo a “alma” de obras de arte.

"a forma segue a função"


Oskar Schlemmer | Figurino para balé. Dois momentos em que David Bowie se inspirou no artista. Figuras por Sérgio Maranhão – 2019. Pôster para balé – 1926.
 

Com o slogan “Arte na indústria”, as oficinas produziam elegantes cadeiras de aço, charmosos utensílios de cozinha, tecidos sofisticados e luminárias futurísticas. Muitos desses produtos até hoje ocupam lugar de destaque na vida contemporânea, tanto por seus designs originais, quanto por suas variações, como a cadeira Cesca, a luminária Wagenfeld e a aclamada cadeira Barcelona.

 

“Você pode facilmente traçar uma linha da Bauhaus até o iPod.” - Steve Jobs, 1993.

A forma segue a função | Gravador Braun - 1959. Ipod – 2002.

Quando as ideias da Bauhaus foram apresentadas pela primeira vez, na década de 1920, e o público se defrontou com as ideias incomuns e revolucionárias para a época, muitas pessoas ficaram chocadas. A escola não ficou livre de controvérsias. As propostas ambiciosas da escola não agradaram aos setores mais conservadores da sociedade alemã, os quais ficaram incomodados com posições esquerdistas e internacionalistas da escola.

A ascensão do Nazismo e a "Arte Degenerada".

Os nazistas acreditavam que a rejeição da escola à estética tradicional era uma rejeição ao orgulho nacional. Eles consideravam a arte moderna como "arte degenerada", assim, perseguiram e enquadraram a escola, que foi forçada a encerrar suas atividades em 1933.

 

Expandindo fronteiras

A Bauhaus expandiu sua influência para todo o mundo quando muitos artistas e arquitetos renomados, fugindo da guerra, imigram para outros países, permitindo a criação de postos avançados. Os dissidentes fundaram ou se juntaram a escolas renomadas no Reino Unido, na Suíça, em Israel, no México, no Chile, na Colômbia, nos EUA.

 

No topo, três exemplos de decoração do período Bauhaus. Abaixo, decoração contemporânea em estilo moderno.

 

Duas das figuras mais renomadas, e que foram diretores da escola, imigraram para os Estados Unidos onde comandaram uma revolução na arquitetura e no design. O idealizador da Bauhaus, Walter Gropius, acabou na Universidade de Harvard. Ele organizou uma exposição do Museu de Arte Moderna que elevou a Bauhaus a um status mítico.

O diretor Ludwig Mies van der Rohe se juntou ao Illinois Institute of Technology, em Chicago. Seu plano para o campus é um ícone modernista. 

Piet Mondrian foi uma importante inspiração. Sua arte e teoria influenciaram o movimento da Bauhaus e o desenvolvimento do estilo internacional na arquitetura. Em 1940, ele se estabeleceu em Nova York.

Outros importantes colaboradores do movimento foram Wassily Kandinsky, Paul Klee, Gerrit Rietveld, dentre outros.

Ludwig Mies van der Rohe e Walter Gropius, ambos já nos EUA.
Cadeira Vermelha e Azul por Gerrit Rietveld - 1923. Vestido criado por Yves Saint Laurent - 1965. Pintura abstrata por Piet Mondrian. Jogo para escritórios por Patrícia Maranhão - 2019. Tenis por Nike – 2019.

O design da Bauhaus foi ideal para a era pós-Segunda Guerra Mundial: a produção de armas e tanques foi trocada pela produção de carros, refrigeradores, TV, casas e muitos outros utilitários. A guerra aperfeiçoou as linhas de montagem, e, quando terminou, a Bauhaus estava ali esperando para dar um impulso artístico a essa nova revolução industrial e aproveitar a fome de consumo de uma classe média que estava prestes a explodir.

Os projetos de móveis e utensílios de Marcel Breuer, Marianne Brandt e outros pavimentaram o caminho para o minimalismo elegante dos anos 50 e 60 e para a popularização da estética da Bauhaus.

 

Loja da gigante do mobiliário Ikea em Paris. Tok Stok em São Paulo.

 

Podemos dizer que a Ikea é a realização do sonho da Bauhaus.

A estética limpa e despojada passou a representar modernidade e foi adotada pela indústria, que, com uma economia cada vez mais internacionalizada, introduziu as novas ideias para o mercado internacional. Não demorou muito para a Bauhaus conquistar o mundo.

Casa Schröder por Gerrit Rietveld - 1924. Residência contemporânea na Califórnia – 2019.

 


Mininhaturas por Sérgio Maranhão - 2019 | Edifício Bauhaus, Casa Schröder, Villa Savoye